Dicas para alimentação na gravidez

Postado por Equipe Pequeno Gourmet

A gravidez é uma boa oportunidade para a futura mamãe começar a comer de forma mais regrada: fazer três refeições – café da manhã, almoço e jantar – e mais lanchinhos intermediários. Na verdade, comer a cada três horas é o ideal, ou seja, mais vezes e em menores quantidades. Incluir muitas verduras, frutas e legumes também é uma ótima pedida. Mesmo após o parto é importante manter  esses hábitos no seu dia a dia e depois incluí-los na rotina do bebê durante a introdução alimentar. Nós aqui do Pequeno Gourmet listamos algumas dicas para incrementar a sua alimentação durante a gestação.

 Alimentos para investir

Durante a gravidez, o ideal é manter uma alimentação balanceada e cheinha de nutrientes. Investir nos vegetais, nas frutas e nos cereais integrais (como a aveia, arroz e os pães integrais) pode ajudar a futura mamãe a ter mais energia neste período. Vale a pena também apostar em cardápios com carnes magras, peixes, feijão e os alimentos lácteos (leite, iogurte e queijo), que são boas fontes de proteínas, ferro e cálcio, essenciais para garantir a saúde da grávida e o bom desenvolvimento do bebê.

Alimentos para evitar

Carnes, peixes e ovos crus, salsichas, produtos congelados que ficaram muito tempo fora da geladeira, frutas e legumes mal lavados e leite não pasteurizado. Também é recomendável evitar o excesso de café (nada mais do que duas xícaras pequenas por dia), carnes e peixes que contenham muita gordura, chá preto e bebidas alcóolicas. Importante lembrar que a grávida deve sempre estar atenta aos prazos de validade e à qualidade dos alimentos que consome, afinal, uma intoxicação alimentar indesejada pode fazer mal para mamãe e bebê.

Pode comer por dois?

É normal ouvir que na gravidez as mamães precisam comer por ela e pelo neném.  Isso significa comer em dobro? Definitivamente não! Claro que a grávida precisa sempre estar bem alimentada, mas se ela já tem uma alimentação rica em nutrientes precisa apenas ingerir, em média, o equivalente a 300 calorias a mais e ter de 5 a 6 refeições ao dia. “É importante lembrar que essas 300kcal são a partir do segundo trimestre e são recomendados para mulheres saudáveis. Para aquelas que já vêm com desnutrição, baixo peso ou sobrepeso/obesidade, as recomendações são diferentes”, lembra  a nutricionista Jacqueline MonizOu seja, nada de exageros!

Bom exemplo

Com um cardápio rico em frutas, vegetais e muitos nutrientes, a mamãe garante a sua saúde e a do bebê, durante a gestação e depois dela. Quando ainda está no ventre, o primeiro sabor que a criança sente é o do líquido amniótico e, se a mamãe tiver uma alimentação saudável nesse período, a tendência da criança nascer já familiarizada com alimentos saudáveis e nutritivos é ainda maior. Ou seja, o bom exemplo de cardápio para o seu filhote começa já na gravidez!

Não se esqueça dos movimentos!

Muitas grávidas acabam ficando com medo e insegurança em relação a prática de exercícios físicos durante os nove meses de espera do bebê, mas vale lembrar que, com o acompanhamento adequado, e dentro das suas limitações, é importante que a futura mamãe não se mantenha sedentária. “Se antes da gestação, a mulher já praticava algum exercício é importante manter um nível leve (voltado para a sua fase atual) para que ela mantenha os benefícios, como a melhora do humor, sono, flora intestinal saudável e função cardiovascular controlada”, diz a nutricionista Jacqueline Moniz.

*O Pequeno Gourmet recomenda a consulta de um profissional especializado em caso de dúvida quanto a qualquer informação disponível no Portal

Imagine receber toda semana uma coletânea dos posts mais legais do Pequeno Gourmet.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER