Crianças obesas também podem estar desnutridas

Postado por Equipe Pequeno Gourmet

Criança gordinha é sinônimo de saúde? Definitivamente, não! Ao contrário do que muitos adultos pensam, quando o pequeno está acima do peso ele pode não estar saudável. E correr um maior risco de desenvolver doenças como diabetes do tipo 2 e até mesmo desnutrição! Isso mesmo, é possível que seu filhote esteja desnutrido, mesmo se estiver obeso.

O que pode favorecer a doença

A desnutrição é uma doença grave entre as crianças, que se não tratada adequadamente pode levar até mesmo à morte. E ela pode começar ainda no útero, em bebês que nascem abaixo do peso. Durante os primeiros meses um dos motivos que levam à falta de nutrientes é a interrupção precoce do aleitamento materno (que deve ser mantido pelo menos até os 6 meses). Depois do período de aleitamento, a introdução alimentar inadequada também pode ajudar no desenvolvimento da doença. Principalmente entre às crianças mais carentes, que não têm à disposição um prato de refeição completo em nutrientes. Mas, os pequenos que têm acesso a comida também podem sofrer com isso, quando ao invés da introdução de frutas, legumes e verduras no cardápio, há a prioridade para o excesso de doces, refrigerantes e alimentos industrializados.

Sinais da desnutrição

Alguns sinais ajudam a identificar se a criança está ou não recebendo menos nutrientes do que o seu organismo precisa. E eles não se restringem só ao peso da criança.

Em alguns casos há, sim, a perda de peso contínua e preocupante, o crescimento inadequado (criança mais baixa que o normal para sua idade), desânimo e cansaço frequente. Esses são os sinais mais comuns entre os pequenos em situação de pobreza. As crianças obesas, e com uma alimentação desregrada, também podem sinalizar a deficiência de nutrientes com sinais de cansaço, apatia e desânimo. “Se identificados os sintomas de desnutrição as crianças obesa devem realizar os exames e procurar o médico. Estar acima do peso, não significa estar bem nutrido, e isso também serve para os adultos”, diz a nutricionista Fernanda Saccoletto. É possível ainda identificar sintomas como anemia, alterações intestinais, renais e respiratórias em ambos os casos.

Se notar qualquer um desses sintomas no seu filhote, procure um médico para realizar os exames necessários! Muitas vezes, o pediatra também pode indicar uma consulta com uma nutricionista, que vai identificar os problemas na rotina alimentar da criança e montar um cardápio com os nutrientes essenciais para o ganho, ou a perda de peso.  

Para impedir a desnutrição, vale sempre apostar em uma rotina alimentar adequada (com café da manhã, lanche, almoço, lanche da tarde e jantar), no aleitamento materno até os seis meses ou mais e na boa introdução alimentar . Evitar doces nos dois primeiros anos também é uma boa iniciativa para fazer seu filho crescer forte e saudável!

*O Pequeno Gourmet recomenda a consulta de um profissional especializado em caso de dúvida quanto a qualquer informação disponível no Portal

Imagine receber toda semana uma coletânea dos posts mais legais do Pequeno Gourmet.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER